8 práticas para garantir a segurança da informação na saúde

seguranca da informacao

A tecnologia está revolucionando a maneira como os dados na saúde são entendidos e entregues. Por exemplo, a Inteligência Artificial (IA) está transformando a interação entre dispositivos e médicos com ferramentas emergentes e de segurança da informação. Ou seja, agora, elas os ajudam a identificar, priorizar e tratar condições com maior precisão e eficácia.

Esses avanços na tecnologia da área de saúde, no entanto, introduzem novas questões e condições no campo da segurança da informação. Assim, elas são trazidas pelo aumento do número de dispositivos médicos conectados e pela grande quantidade de dados produzidos e consumidos.

Embora os novos dispositivos tenham um papel crítico no diagnóstico e na prestação de cuidados aos pacientes, eles também introduzem novas vulnerabilidades para atores mal-intencionados que procuram comprometer as redes de assistência médica por seus valiosos dados.

Esta sem tempo para ler? Não perca a oportunidade de ouvir este artigo. Clique no play.

Para pacientes e médicos que buscam garantir resultados de qualidade, dados precisos são essenciais. Para hackers que desejam obter informações valiosas sobre saúde, os dados podem ser transformados em moeda forte ou inteligência valiosa.

Como, então, garantir a segurança da informação na saúde? Abaixo, analisamos os desafios e oportunidades aos quais os profissionais de TI devem estar atentos!

A importância da segurança da informação na saúde

Para pacientes e médicos que buscam garantir resultados de qualidade, dados precisos são essenciais. Para hackers, os dados relacionados à saúde podem ser transformados em um item valioso. Em 2018, mais de 15 milhões de registros de pacientes foram comprometidos durante 503 violações de dados separadas.

Quando a segurança do paciente depende da rede de um hospital, por exemplo, a segurança da informação é uma ameaça que vai muito além da perda de receitas e despesas. Um ataque pode ter consequências terríveis e potencialmente irreparáveis ​​no atendimento ao paciente e na reputação da organização de saúde.

Em 2017, o WannaCry comprometeu computadores ligados às máquinas de tomografia e raio-x, levantando a possibilidade que níveis de radiação pudessem ser controlados pelos criminosos para atingir determinado paciente.

Dados os altos riscos, não só é fundamental que os hospitais e as redes de saúde entendam as ameaças, mas também que elas comecem a tomar medidas para combatê-las.

Zelar pela segurança da informação no setor de saúde não é tarefa fácil. Os provedores de assistência médica e seus parceiros de negócios devem equilibrar a proteção da privacidade do paciente. Assim, oferecendo atendimento de qualidade e atendendo aos rígidos requisitos regulamentares estabelecidos pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Como as informações de saúde protegidas estão entre os dados privados mais sensíveis (e para criminosos, valiosos) de um indivíduo, as diretrizes para prestadores de serviços de saúde e outras organizações que usam ou transmitem informações de pacientes incluem requisitos rígidos de proteção de dados que trazem penalidades pesadas e multas se não forem cumpridas.

As entidades de saúde devem garantir que as informações do paciente estejam seguras, acessíveis apenas por pessoas autorizadas e usadas apenas para fins autorizados — mas cabe a cada organização determinar quais medidas de segurança empregar para alcançar esses objetivos.

As 8 melhores práticas de segurança da informação na saúde

Abaixo, discutiremos 8 práticas recomendadas de proteção de dados para organizações de saúde. Essas práticas visam acompanhar o cenário de ameaças em evolução, abordando ameaças à privacidade e à proteção de dados nos endpoints e na nuvem e protegendo os dados enquanto estão em trânsito, em repouso ou em uso. Veja só:

1. Educação e treinamento de pessoal

O elemento humano continua sendo uma das maiores ameaças à segurança em todos os setores, mas, particularmente, no campo da saúde. Um simples erro humano ou negligência pode resultar em consequências desastrosas e caras para as organizações de saúde.

O treinamento de conscientização de segurança equipa os funcionários da área de saúde com o conhecimento necessário para tomar decisões inteligentes e usar a devida precaução ao lidar com os dados do paciente.

2. Acesso restrito aos dados e aplicações

A implementação de controles de acesso reforça a segurança da informação na saúde. Assim, restringindo o acesso aos dados do paciente e a certos aplicativos apenas àqueles usuários que precisam deles para realizar seus trabalhos.

As restrições de acesso exigem autenticação do usuário, garantindo que apenas aqueles autorizados tenham acesso a dados protegidos. A autenticação multifator é uma abordagem recomendada, exigindo que os usuários validem que são de fato a pessoa autorizada a acessar determinados dados e aplicativos usando dois ou mais métodos de validação, incluindo:

  • Informações conhecidas apenas pelo usuário, como senha ou número PIN;
  • Algo que somente o usuário autorizado possuiria, como cartão ou chave;
  • Algo exclusivo para o usuário autorizado, como biometria (reconhecimento facial, impressões digitais, digitalização ocular).

3. Controles de uso de dados e implementação

Os controles de dados de proteção vão além dos benefícios dos controles de acesso e do monitorament. Ou seja, eles garantem que atividades de dados arriscadas ou mal-intencionadas possam ser sinalizadas e/ou bloqueadas em tempo real.

As organizações de saúde podem usar controles de dados para bloquear ações específicas que envolvam informações confidenciais, como uploads da Web, envio de e-mails não autorizados, cópia em unidades externas ou impressão.

A descoberta e classificação de dados desempenham um papel importante de suporte nesse processo, garantindo que dados confidenciais possam ser identificados e marcados para receber o nível adequado de proteção.

4. Registro e monitoramento do uso de dados

O registro de todos os dados de acesso e uso também é crucial. Assim, permitindo que provedores e parceiros de negócios monitorem quais usuários estão acessando quais informações, aplicativos e outros recursos, quando e de quais dispositivos e locais.

Esses registros são valiosos para fins de auditoria, ajudando as organizações a identificar áreas de preocupação e fortalecer as medidas de proteção quando necessário. Quando um incidente ocorre, uma trilha de auditoria pode permitir que as organizações identifiquem pontos de entrada precisos, determinem a causa e avaliem os danos.

5. Criptografia de dados

A criptografia é um dos métodos mais úteis de proteção de dados para organizações de saúde. Ao criptografar dados em trânsito e em repouso, os prestadores de serviços da área e os parceiros de negócios tornam mais difícil (idealmente impossível) que os invasores decifrem as informações do paciente, mesmo que tenham acesso aos dados.

Cabe à organização determinar quais métodos de criptografia e outras medidas são necessárias ou apropriadas, dado o fluxo de trabalho da organização e outras necessidades. O Health IT Security descreve as duas principais perguntas que as organizações de saúde devem fazer para determinar um nível apropriado de criptografia e quando esta é necessária:

  • Para impedir o acesso não autorizado aos dados, quais deles devem ser criptografados e descriptografados?
  • Quais métodos são necessários, razoáveis ​​e apropriados?

6. Dispositivos móveis seguros

Cada vez mais, os prestadores de serviços de saúde utilizam dispositivos móveis no curso dos negócios, seja um médico usando um smartphone para acessar informações para ajudá-los a tratar um paciente ou um trabalhador administrativo que processa reivindicações de seguro. Somente a segurança do dispositivo móvel envolve várias medidas, incluindo:

  • Gerenciamento de todos os dispositivos e configurações;
  • Aplicação do uso de senhas fortes;
  • Ativação da capacidade de limpar e bloquear remotamente dispositivos perdidos ou roubados
  • Criptografia dos dados do aplicativo;
  • Monitoramento das contas de e-mail e anexos para evitar infecções por malware ou exfiltração de dados não autorizada;
  • Educação dos usuários sobre as práticas recomendadas de segurança de dispositivos móveis;
  • Diretrizes de implementação ou políticas de lista de permissões para garantir que apenas aplicativos que atendam a critérios predefinidos ou que tenham sido pré-examinados possam ser instalados;
  • Exigência de instalação de software de segurança móvel, como soluções de gerenciamento de dispositivos móveis.

7. Mitigação de riscos de dispositivos conectados

Quando você pensa em dispositivos móveis, provavelmente pensa em smartphones e tablets. Mas a ascensão da Internet das Coisas (IoT) significa que os dispositivos conectados estão assumindo todos os tipos de formas.

No campo da saúde, desde dispositivos médicos, como monitores de pressão arterial até câmeras usadas para monitorar a segurança física nas instalações, podem ser conectados a uma rede. Para manter a segurança da informação adequada do dispositivo conectado:

  • Manter dispositivos IoT em sua própria rede separada.
  • Monitorar continuamente as redes de dispositivos IoT para identificar mudanças repentinas nos níveis de atividade que podem indicar uma violação;
  • Desativar serviços não essenciais nos dispositivos antes de usá-los ou removê-los completamente;
  • Usar autenticação forte e multifatorial sempre que possível;
  • Manter todos os dispositivos conectados atualizados para garantir que todos os patches disponíveis sejam implementados.

8. Realize avaliações de risco regulares

Embora ter uma trilha de auditoria ajude a identificar a causa e outros detalhes valiosos de um incidente após a ocorrência, a prevenção proativa é igualmente importante. A realização de avaliações de risco regulares pode identificar vulnerabilidades ou pontos fracos de uma organização de saúde, deficiências na educação dos funcionários, inadequações na postura de segurança da informação de fornecedores e parceiros de negócios e outras áreas de preocupação.

Ao avaliar os riscos em uma organização de saúde periodicamente para identificar e mitigar proativamente os riscos em potencial, os profissionais de saúde e seus parceiros de negócios podem evitar melhor as violações de dados dispendiosas e os muitos outros impactos prejudiciais, desde danos à reputação até multas por agências reguladoras.

Conforme fica claro nos esclarecimentos acima, os requisitos de privacidade e segurança da informação na saúde dependem não apenas das atividades conduzidas pela própria organização, mas também por quaisquer organizações auxiliares com as quais conduz negócios.

Agora que você conhece as práticas indispensáveis para garantir a segurança da informação na saúde, aproveite e conheça o Health Check e veja como essa ferramenta pode te ajudar!

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *