Tendências de cibersegurança: quais ameaças você precisa saber?

Tendências de cibersegurança

O mundo está cada vez mais conectado e as empresas estão, gradativamente, se tornando mais digitais. Nesse cenário, manter seus dados seguros é mais importante do que nunca. No entanto, à medida que a transformação digital avança, surgem também novas ameaças, cada vez mais sofisticadas. Logo, conhecer as tendências de cibersegurança é essencial para manter a sua operação protegida.

Acesse a versão deste conteúdo em áudio também:

Você já sabe quais são as principais ameaças com as quais a sua empresa precisará lidar neste ano? Continue a leitura para descobrir quais são as tendências de cibersegurança para 2020!

Novo foco dos ataques ransomware

O ransomware foi o grande vilão de 2019, com uma média de um ataque a cada 14 segundos. O Brasil, inclusive, é um dos principais alvos dos criminosos, figurando em segundo lugar no ranking mundial dessa modalidade de ataque.

Em 2020, o ransomware continuará a ser uma das grandes ameaças com as quais as empresas precisarão lidar. No entanto, agora esse tipo de ataque está se tornando muito mais objetivo.

Em vez de criptografar aleatoriamente todos os dados que puderem, os criminosos estão mirando dados comerciais de alto valor para, assim, aumentar a probabilidade de obter o resgate.

Phishing para dispositivos móveis

As empresas estão cada vez mais preparadas para lidar com os ataques de phishing. Vários mecanismos de cibersegurança ajudam a bloquear e-mails suspeitos e URLs maliciosos, protegendo o e-mail corporativo.

Por isso, os alvos preferidos para esse tipo de ataque em 2020 serão os dispositivos móveis.

Com o crescimento da adoção da nuvem, várias empresas têm permitido que os colaboradores utilizem seus dispositivos pessoais, como tablets e smartphones para acessar as aplicações e os dados corporativos.

Dessa forma, os criminosos encontraram novas vulnerabilidades e estão concentrando seus ataques em e-mails pessoais, redes sociais e outras plataformas de mensagens móveis. Por isso, a segurança BYOD deve ser parte integrante da estratégia de cibersegurança de toda empresa.

IoT no centro dos ataques

A adoção global da tecnologia 5G começará em 2020. Com isso, o uso de dispositivos IoT conectados irá acelerar drasticamente, aumentando enormemente a vulnerabilidade das redes a ataques cibernéticos de 5ª geração e multi-vetor em larga escala.

Os dispositivos IoT e suas conexões com redes e nuvens ainda são um elo fraco na segurança. O problema se torna ainda maior quando se imagina que haverá um volume crescente de dados pessoais sendo coletados e transmitidos por meio dessa tecnologia.

Logo, as empresas precisam, além do risco da perda de dados, precisam se preocupar também com a cumprimento da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Para isso, é preciso uma abordagem mais holística da segurança da Internet das Coisas, combinando controles tradicionais e novas tecnologias para proteger essas redes sempre crescentes em todos os setores da indústria e de negócios.

Inteligência Artificial utilizada a serviço dos cibercriminosos

A inteligência artificial já está em toda parte, e é provável que a vejamos ainda mais em 2020. Não apenas está em soluções que visam a simplificar a execução de tarefas no dia a dia, mas também usada a serviço de cibercriminosos.

Embora atualmente essa tecnologia esteja sendo usada para prevenir ataques, ela também pode ser “treinada” para enganar essas mesmas táticas de defesa.

Enquanto os sistemas de IA estão programados para se tornarem mais avançados e complexos em 2020, o mesmo ocorrerá com tentativas de e-mail de phishing e ataques DDoS.

Felizmente, quanto mais soluções de IA e algoritmos de segurança de aprendizado profundo estiverem disponíveis, maiores serão as chances de evitar incidentes de cibersegurança.

Ataques de hardware e firmware estão de volta

Existem preocupações crescentes sobre vulnerabilidades de hardware. Nos últimos anos, falou-se muito em Spectre e Meltdown, parte de uma família de vulnerabilidades que afeta quase todos os chips de computadores fabricados nos últimos 20 anos.

Nenhum ataque sério ocorreu ainda. No entanto, especialistas em segurança estão preocupados com o pode acontecer se um hacker for capaz de explorar essas fraquezas no hardware e no firmware.

O fator humano como risco à cibersegurança

As ameaças internas continuam sendo uma das principais vulnerabilidades de cibersegurança. O elemento humano é o elo mais fraco e complicado para garantir a proteção de dados e, cada vez mais, as empresas precisam adotar abordagens inteligentes para contornar esse risco.

Isso envolve diversos fatores, tais como treinamento adequado para identificar ameaças e conscientização sobre a importância da segurança da informação. Além disso, é essencial contar com ferramentas adequadas, como uma solução de Data Loss Prevention (DLP), uma solução eficaz para lidar com usuários descuidados e também com aqueles mal intencionados.

O que fazer diante das tendências de cibersegurança?

Em 2020, as empresas precisarão lidar com ameaças cada vez mais sofisticadas. Por isso, além de utilizar ferramentas eficazes para proteger os dados, é preciso trabalhar para fechar todas as possíveis brechas de segurança para evitar incidentes.

Nesse sentido, é essencial investir em gestão de vulnerabilidades, a fim de identificar os riscos e implementar as medidas necessárias para alcançar a cibersegurança e atender aos requisitos regulatórios.

Agora você já sabe quais as tendências de cibersegurança você precisa ficar de olho nesse ano de 2020. Que tal aproveitar para conhecer a posição do Brasil no ranking mundial de ataques cibernéticos? Clique aqui e boa leitura!

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *